✠ Olá visitante, seja bem-vindo ao Blog da Cruz de Malta ✠ Clique em "Futebol ao Vivo" e assista os jogos do seu time em nosso site ✠ Seja um sócio torcedor do Club de Regatas Vasco da Gama ✠ Entre em https://socio-vasco.futebolcard.com/ e inscreva-se no programa Sócio Torcedor Gigante ✠
Clique na Imagem

Vasco lança nova camisa anti-racismo

Dedé mostra a nova camisa do Vasco
O Vasco lançou sua nova camisa onde faz referência a luta contra o racismo. O Gigante da Colina foi o primeiro clube a lutar contra a exclusão de negros e pobres no futebol brasileiro que era um esporte dominado pelas elites da época. Os cruzmaltinos vão estrear o seu terceiro uniforme na próxima semana contra o Bangu, outro clube que reinvindica o pioneirismo em aceitar negros e pobres no futebol.

Porém, o sociólogo Mauricio Murad, que palestrou no lançamento das "Camisas Negras", nessa quinta-feira pela manhã, cita uma diferença entre a ascensão dos negros nos dois clubes.


"O Bangu teve sim o primeiro jogador negro, mas eles entravam em campo quando faltava gente para jogar. Já no Vasco, isso era uma política do clube. Francisco Carregal foi o primeiro jogador negro do Bangu, em 1905, mas era um caso isolado", explicou Murad, que é professor da Uerj e estudioso do assunto desde 1986.

Segundo o sociólogo, a preocupação do Vasco não era apenas colocar negros e pobres em campo, mas auxiliá-los na vida fora do campo.

"Na mesma época o Vasco criou uma escola para alfabetizar os pobres. Naquele tempo, os jogadores ainda não eram profissionalizados. Há quem diga que o clube se aproveitou dos negros pela forma atlética, mas na verdade foi o Vasco que os tornou atléticos, eles não tinham condições de se alimentar e faziam suas refeições no clube, que além da alimentação, conseguia emprego para os atletas junto aos comerciantes portugueses", afirma o professor.

Os portugueses eram ricos, mas discriminados, como se dissessem "são comerciantes de secos e molhados". Isso também aproximou essas duas camadas excluídas, os portugueses e os pobres”, diz Murad.

A dignidade do ser humano não pode ser medida pela cor de sua pele, nem pela sua condição social. Parabéns ao Club de Regatas Vasco da Gama por ter sido o 1º clube de futebol a ter aceito jogadores negros e oriundos de classes sociais menos favorecidas. Temos muito orgulho em levantar essa bandeira.

Que o lançamento da camisa anti-racismo, não seja apenas mais uma apresentação de um novo uniforme, mas acima de tudo, possa tocar o coração de muitas pessoas que ainda não entenderam que Deus nos criou sua imagem e semelhança para que possamos amar uns aos outros, livres de qualquer discriminação ou preconceito. Saudações Vascaínas !!

2 comentários:

  1. Infelizmente, até hoje o racismo se faz presente no futebol. Outro dia, o jogador Roberto Carlos, ex-Corinthians, foi vítima de racismo na Russia, quando um torcedor acenou para ele com uma banana nas mãos. Lamentavel !!

    ResponderExcluir
  2. o racismo não tem fim... enquanto a conciêcia pequena de muitas pessoas agem assim...

    ResponderExcluir