✠ Olá visitante, seja bem-vindo ao Blog da Cruz de Malta ✠ Assista os jogos do seu time no "Futebol ao Vivo" ✠ Seja também um Sócio Torcedor do Gigante da Colina ✠ Clique na aba "Sócio Gigante" e inscreva-se no programa de sócio torcedor do C. R. Vasco da Gama ✠
Clique na Imagem

Vasco conquista vitória com garra e mostra a força do prêto e branco

Juninho comemora golaço que abriu o placar
O Vascão deu uma aula dentro e fora de campo na vitória por 2 a 0 sobre o Libertad (PAR), em São Januário, nesta quarta-feira. Os gols foram marcados por Juninho, que inaugurou o novo placar da Colina Histórica e o artilheiro Alecsandro. Com o resultado, o Gigante da Colina divide agora a primeira colocação do grupo 5 da Libertadores com o próprio Libertad e mantém 100% de aproveitamento com o uniforme número 3.

No Dia Internacional de Luta Contra a Discriminação Racial, a torcida e a equipe vascaína deram uma aula ao resgatar a batalha mais épica do Vasco: A luta contra o racismo. Os jogadores adentraram em campo segurando o uniforme dos “Camisas Negras”, lendário time campeão Carioca em 1923 com jogadores negros e que no ano seguinte se recusou a tirar esses atletas de seu elenco, como queriam Botafogo, Flamengo e Fluminense, não sendo aceito na liga da AMEA. As camisas negras, foram atiradas para os torcedores.

Nas arquibancadas de São Januário, que contou com a estreia do novo placar, faixas contra o racismo e rostos pintados com as cores preto e branco foram algumas das manifestações dos torcedores em repúdio ao ato de preconceito da torcida do Libertad na partida da semana passada contra a dupla de zaga Dedé e Renato Silva.

O Trem Bala da Colina começou com muita gana pela vitória, sem tirar o pé nas disputas, e com o ímpeto bastante ofensivo. Mesmo com mais posse de bola, acabava esbarrando na forte marcação paraguaia, muitas vezes violenta, como ocorreu na semana passada. O Libertad, por sua vez, buscava explorar os contra-ataques para surpreender o Vasco.

Com os velocistas Willian Barbio e Eder Luis abertos pelos lados, o Vasco explorava os flancos do campo para furar a retranca do Libertad, mas, devido à lentidão do meio, a equipe de São Januário pouco conseguia transformar a superioridade em chances de gols. Aos 31 minutos, Thiago Feltri arrancou pela esquerda e cruzou rasteiro. Eder Luis deixou a bola passar para Felipe finalizar de primeira, carimbando a defesa adversária.

No final da 1ª etapa, o Trem Bala da Colina, com o combustível do apoio vindo das arquibancadas, pressionou o time paraguaio com jogadas em velocidade, principalmente pela esquerda com Thiago Feltri, alçando a bola na área, mas com a zaga sempre se sobressaindo ao ataque cruz-maltino.

Cristóvão Borges promoveu duas alterações no intervalo para melhorar a qualidade do passe vascaíno. Juninho Pernambucano entrou no lugar de Eduardo Costa e Allan no de Eder Luis. Logo aos três minutos, Fagner cruzou na primeira trave para Alecsandro cabecear forte, com muito perigo. Instantes depois, após uma grande tabela, o artilheiro da Colina recebeu a bola dentro da área e finalizou forte, mas o goleiro fez a defesa.

Depois de Allan fazer grande jogada pela direita e a zaga salvar o lance, Juninho cobrou escanteio fechado e a bola voltou para o Reizinho, que fez um golaço ao surpreender o goleiro Muñoz. O gol fez o Caldeirão ferver de emoção e inaugurou o novo placar da Colina Histórica.

O Trem Bala da Colina seguia a todo vapor. Allan, que entrou muito bem em campo, fez grande jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para Alecgol colocar a bola para dentro, ampliando a vantagem cruz-maltina. O camisa 9 distribuiu beijos para a torcida na comemoração antes de dançar com o Mito Dedé.

O Vasco era muito superior ao seu adversário, e passou a administrar o resultado com a troca de passes e lances de muita classe. Para fechar o meio de campo, Cristóvão Borges colocou Fellipe Bastos no lugar do Maestro Felipe.

Aos 33 minutos, Willian Barbio fez uma grande jogada ao fazer fila no meio de campo, só sendo parado com falta. Na cobrança, o Reizinho bateu muito bem, mas o goleiro fez uma grande defesa. Poucos minutos depois, Fellipe Bastos levou perigo ao chutar forte de muito longe.

Aos 37 minutos, Allan puxou um contra-ataque rápido, tocou para Alecsandro que deixou Fagner na cara do gol, porém o lateral não finalizou bem, perdendo uma grande chance de fazer o terceiro do Vascão. Na última oportunidade da partida, Willian Barbio recebeu na frente do goleiro, mas acabou errando o alvo.

Antes do termino do jogo, o Reizinho pediu aos seus súditos que cantassem forte e foi prontamente atendido. Após a vitoria, foi a vez de Edmundo ter o seu nome gritado pelos vascaínos presentes na Colina Histórica.



Fonte: Vasco.com.br

Nenhum comentário:

Ser Vasco